Busca

O UNIVERSO MUSICAL
Quem Somos
Expediente
Cadastro
Publicidade
Fale Conosco
LINKS EXTERNOS
Blog
Universo Produções
Site Marcos Bin
Orkut
MySpace
Enquete
Você é a favor do ensino obrigatório de música nas escolas, como defendem alguns artistas? Acesse nosso blog e dê sua opinião!
  Uma banda que gosta de discos ao vivo

Divulgação
O vocalista Bruce Dickinson com uma bandeira britânica em um show na Alemanha, país onde o Iron Maiden gravou o CD duplo ao vivo Death on the Road
Por Jailson Roque
20/10/2005

São 30 anos de carreira, mais de 25 CDs, vários sucessos, milhares de fãs ao redor do mundo. Esse é o legado que os ingleses Iron Maiden deixaram no universo do heavy metal ao longo de sua vitoriosa carreira. Um pouco dessa história é contada no CD duplo ao vivo Death on the Road, lançado pela EMI, mesma gravadora do grupo desde o primeiro trabalho, em 1980.

O álbum reúne os grandes sucessos do Iron Maiden, gravados na Westfalenhalle Arena, Dortmund, na Alemanha, durante a turnê européia do disco Dance of the Death. Além de contar com músicas de diferentes épocas da banda, o CD duplo traz mais agressividade ao som dos ingleses, em mais de uma hora de música com o melhor do metal mundial.

Na compilação, encontram-se hits como Fear of the Dark, The Number of the Beast, Iron Maiden e The Trooper. O CD vale a pena não só pelos grandes sucessos, mas também para mostrar à nova geração de roqueiros que a Donzela de Ferro não demonstra nenhum sinal de ferrugem.

Death on the Road
vem três anos depois de Rock in Rio, outro álbum duplo ao vivo. O disco foi gravado durante a histórica passagem do Iron Maiden pela terceira edição do festival brasileiro, em 2001, quando o grupo tocou para mais de 100 mil pessoas.

Este é um formato bastante comum na discografia dos roqueiros britânicos. Em 1993, o Iron Maiden chegou a lançar três discos ao vivo: A Real Live One, A Real Dead One – inicialmente vendidos de forma separada e depois como um álbum duplo – e Live at Donington.

Outro disco ao vivo marcante na carreira do Iron Maiden foi Live After Death, de 1985, fase áurea do grupo comandado por Bruce Dickinson.

Iron Maiden: uma breve biografia

Quando começaram a carreira, na segunda metade da década de 70, os ingleses do Iron Maiden mesclavam guitarras furiosas com melodias complexas e harmoniosas, fato incomum para o metal produzido na época.

Aquele era um período de entressafra para o heavy metal, devido ao surgimento, com força, do movimento punk. O Iron Maiden foi a banda de ponta da chamada New Wave of British Heavy Metal (nova onda do heavy metal britânico), que também incluía as bandas Def Lepard e Judas Priest e fez o gênero ganhar popularidade novamente.

O Iron Maiden foi fundado em 1975 por Steve Harris – que antes tocou nas bandas Influence e Gipsy Kiss – juntamente com Dave Murray. Em 1975, o grupo gravou seu primeiro compacto, The Soundhouse Tapes, com Paul Di'Anno nos vocais. Mais tarde, o posto de vocalista foi comandado por outros craques, marcando uma das características da banda: as trocas de formação.

O sucesso do primeiro trabalho foi tanto que vendeu em 10 dias mais de 5 mil cópias e rendeu um bom contrato com a gravadora EMI. Depois disso os ingleses só subiram dentro das paradas mundiais.

Em 1980, o Iron Maiden – que já havia passado por sua primeira mudança de formação, com a saída de Doug Sampsom, enfrentando problemas de saúde, e a entrada de mais um guitarrista, Clive Burr – grava o seu primeiro disco, batizado com o nome da banda. O lançamento do álbum coincide com o surgimento do mascote The Eddie, um dos maiores sucessos do Iron.

Enquanto o grupo conquistava cada vez mais fãs, começava também o rodízio de seus músicos. Mas isso não influenciou nem um pouco na qualidade do som da banda, muito pelo contrário.

A primeira mudança de integrante que causou grande impacto foi em 1982, quando Bruce Dickinson, ex-vocalista da banda Samson, assumiu os vocais no lugar que até então pertencia a Paul Di'Anno, afastado da posição por não ter voz para acompanhar o potente som do Iron Maiden. O nome da banda, traduzido como Donzela de Ferro, é uma alusão a um instrumento de tortura, mais precisamente uma cadeira.

A trajetória de sucesso continuava e o Iron Maiden seguia conquistando o mundo. Em 1985, a banda esteve no Brasil para se apresentar na primeira edição do Rock in Rio, levando milhares de fãs ao delírio com uma apresentação antológica.

Em 1993, Bruce Dickinson saiu da banda rumo à carreira solo. Foi substituído por Blaze Bayley, que gravou dois discos com o Iron Maiden, recebidos com reservas por público e crítica.

Em 1999, com a volta de Dickinson e de Adrian Smith, o Iron Maiden tornou-se um sexteto, completado por Steve Harris, Nick McBrian, Janick Gers e Dave Murray. O primeiro fruto da nova escalação, ainda mais pesada com a presença de três guitarristas (Smtih, Gers e Murray), foi o CD Brave New World (2000), cuja turnê passou pelo Brasil em 2001, no Rock in Rio 3, e gerou um CD duplo ao vivo.

O Iron Maiden gera tanta polêmica que até hoje existem fãs divididos entre membros e ex-membros do grupo, como no caso dos vocalistas Bruce Dickinson e Blaze Bayley.



Veja mais:


   Disco:  Death on the Road
     Ficha técnica, faixas e compositores

Matérias relacionadas:

  Iron Maiden volta ao Brasil para shows no Rio e em SP
 
Graça Music anuncia novidades à imprensa

Grupo Toque no Altar nos Estados Unidos

Metade do Pink Floyd em disco ao vivo de David Gilmour

Oasis mantém o (bom) padrão com Dig Out Your Soul
 
Confira outras matérias
desta seção
 

 

       

 
 
Copyright 2002-2008 | Universo Musical.
É proibida a reprodução deste conteúdo sem autorização escrita ou citação da fonte.
 
Efrata Music Editora Marcos Goes Marcelo Nascimento Dupla Os Levitas Universo Produções