Busca

O UNIVERSO MUSICAL
Quem Somos
Expediente
Cadastro
Publicidade
Fale Conosco
LINKS EXTERNOS
Blog
Universo Produções
Site Marcos Bin
Orkut
MySpace
Enquete
Você é a favor do ensino obrigatório de música nas escolas, como defendem alguns artistas? Acesse nosso blog e dê sua opinião!
  O novidadeiro Vitor Ramil

Divulgação/Ana Ruth
Nos últimos 2 anos, Vitor Ramil vinha se dedicando à literatura, quando surgiu a idéia do CD Longes. “Este trabalho veio com sabor de literatura”, diz o cantor-escritor

Por Leisa Ribeiro
11/12/2004

O gaúcho Vitor Ramil é compositor, cantor, escritor e muito talentoso. Lançando o CD Longes (Satolep), ele gravou seu primeiro disco aos 18 anos já com a presença de músicos e arranjadores como Wagner Tiso e Luis Avellar, além de participações de Zizi Possi e Tetê Espíndola.

Seus trabalhos sempre causaram curiosidade por causa da sonoridade particular. Vitor consegue misturar música medieval com carnaval de rua, orquestras completas com instrumentos de brinquedo, música eletrônica com violão, entre outras coisas.

“Mas em Longes eu não parti com a pretensão de fazer nada incomum”, ressalva o cantor, que escreve letras bem elaboradas mesclando poesia e humor.

Autor de “Pequod”, ficção criada a partir de passagens da infância do autor e de sua relação com o pai, e de suas andanças pelo extremo sul de Brasil e Uruguai, Vitor despertou-se para este novo trabalho enquanto escrevia o livro “Satolep”, que deve ser lançado no início de 2005.

“Sempre dou um espaço grande entre um CD e outro e passei os dois últimos anos me dedicando ao livro. Aí as canções para o disco foram surgindo pelo meio. Este trabalho veio com sabor de literatura”, define o cantor-escritor.

Importância dos músicos

Na década de 90, Vitor Ramil começou a aparecer mais para a mídia com os CDs Ramilonga – A Estética do Frio e Tambong, uma espécie de marco zero, segundo ele (este último também foi lançado em espanhol). Longes, seu sexto álbum, foi gravado em Buenos Aires e produzido por Pedro Aznar. Nele, Vitor aperfeiçoa a linguagem que começou a elaborar nestes trabalhos anteriores.

Longes pode ser definido como uma síntese das qualidades desses dois trabalhos. É um avanço a partir deles”, diz Vitor. “O som do disco é intimista e eu gosto de destacar as canções. É um CD que tem unidade de repertório, é coeso, mas não imaginei que fosse causar tanta impressão porque desta vez não utilizei instrumentos exóticos”, completa, justificando a harmonia que seu trabalho proporciona entre o clássico, o rock e a milonga.

Parte do sucesso do CD Vitor associa aos músicos que participaram dele, como Santiago Vazquez, Crisitian Judurcha, Gabriel Victora e Bernado Bosisio.

“Os músicos tiveram uma presença forte em Longes. É como se as músicas esperassem por eles”, acredita. “Gosto de músico bom, técnico, mas que seja muito livre também. Eu vibro com isso! Gosto do resultado no palco. Acho que é alma do disco.”

O show de lançamento aconteceu em Porto Alegre em novembro, mas a partir de fevereiro de 2005 Vitor Ramil levará o show para as demais grandes capitais brasileiras e também para Argentina e Europa.


Veja mais:


   Disco:  Longes
     Ficha técnica, faixas e compositores

Resenhas relacionadas:

  Longes

 
Graça Music anuncia novidades à imprensa

Grupo Toque no Altar nos Estados Unidos

Metade do Pink Floyd em disco ao vivo de David Gilmour

Oasis mantém o (bom) padrão com Dig Out Your Soul
 
Confira outras matérias
desta seção
 

 

       

 
 
Copyright 2002-2008 | Universo Musical.
É proibida a reprodução deste conteúdo sem autorização escrita ou citação da fonte.
 
Efrata Music Editora Marcos Goes Marcelo Nascimento Dupla Os Levitas Universo Produções