Busca

O UNIVERSO MUSICAL
Quem Somos
Expediente
Cadastro
Publicidade
Fale Conosco
LINKS EXTERNOS
Blog
Universo Produções
Site Marcos Bin
Orkut
MySpace
Enquete
Você é a favor do ensino obrigatório de música nas escolas, como defendem alguns artistas? Acesse nosso blog e dê sua opinião!
  Independentes, acústicos e vitoriosos

Divulgação
A briga entre a editora EMI e a gravadora Universal veio ao encontro da insatisfação do Roupa Nova com as multinacionais. “Se é para caminhar sozinho, a gente vira um selo”, diz Serginho (à dir.)

Por Marcos Paulo Bin
03/11/2004

A briga entre a editora EMI e a gravadora Universal fez algumas vítimas ao longo de 2004. Sandra de Sá, por exemplo, até agora não conseguiu lançar o DVD Música Preta Brasileira, que ela gravou há mais de um ano. A solução foi lançar só o CD e esperar que as liberações cheguem para o disco audiovisual. Já Nando Reis conseguiu lançar o DVD de MTV Ao Vivo, mas teve de deixar músicas de fora, como Trem das Onze, de Adoniran Barbosa, e Whisky A Go Go, do Roupa Nova. Grupo que também sofreu com o problema em seu CD/DVD Roupacústico, gravado em abril no Olympia, em São Paulo.

Mas o sexteto formado por Serginho (voz, vocais e bateria), Paulinho (voz, vocais e percussão), Nando (voz, vocais, violão e baixo), Kiko (vocais e violão), Ricardo Feghali (piano e vocais) e Cleberson (piano e vocais) foi mais ousado que seus companheiros de Universal. Percebendo que a briga não tinha prazo de validade, o Roupa Nova decidiu pedir a rescisão do contrato com a multinacional e criar seu próprio selo, o Roupa Nova Music, por onde lança agora o disco em que revisita os sucessos dos quase 25 anos de carreira no formato desplugado. À Universal – onde eles gravaram seu primeiro compacto, em 1980, que incluía o hit Canção de Verão – coube a distribuição só no Brasil, durante três anos.

“Nós pedimos para sair da Universal. Não poderíamos acreditar que essa briga acabaria, como não acabou. Decidimos que estava na hora de criar nosso selo”, conta Serginho, lembrando que, por causa dessa briga, o grupo teve que adiar a gravação do disco de março para abril. Isso fez com que perdessem as participações de Milton Nascimento, em Roupa Nova, e Nando Reis, em Whisky A Go Go.

Serginho fala com empolgação do Roupa Nova Music. E não é para menos, já que o primeiro produto do selo é mais do que vitorioso. Lançado em meados de setembro, o CD Roupacústico saiu com 25 mil cópias vendidas, enquanto o DVD, nas lojas desde o fim do mesmo mês, saiu com 10 mil cópias vendidas. Trinta dias depois, esses números já haviam dobrado, levando o grupo a ganhar disco de ouro por ambos (50 mil cópias do CD e 25 mil do DVD).

Mas não é esse o principal motivo para comemorações, ao menos para Serginho. O músico se mostra mais satisfeito com a liberdade que o grupo tem agora para administrar sua própria carreira, sem precisar se submeter aos mandos e desmandos de uma multinacional. Após o Roupa Nova ter passado por quase todas as cinco – a exceção é a Sony – Serginho pode falar com conhecimento de causa sobre os erros do mercado fonográfico.

“Tendo passado por todas essas multinacionais, vimos que o perfil é o mesmo – elas pegam o capital de fora, investem em poucos nomes e se esquecem do resto. Muitas vezes nos vimos no meio dessa situação. As multinacionais são business 24 horas, elas só nos sugaram. O presidente ganha R$ 60.000 e não se preocupa com o artista. Multinacional não salva a carreira de ninguém. Então, se é para caminhar sozinho, a gente vira um selo. Todos os artistas acham isso, mas nem todos tiveram essa audácia. Tem muita gente que não sabe andar com as próprias pernas”, dispara Serginho.

Sofisticado e popular

O CD Roupacústico tem 19 faixas e o DVD, 25. Ambos trazem uma seqüência de hits que é só quebrada pela presença de três músicas inéditas: Já Nem Sei Mais, À Flor da Pele (a melhor delas) e Razão de Viver, primeira faixa de trabalho. Entre as músicas exclusivas da versão em vídeo está o Tema da Vitória, que ficará sempre associada a Ayrton Senna.

“Fizemos esse tema para ser tocado apenas quando um brasileiro vencesse uma competição, mas o Senna começou a ganhar tanto na Fórmula-1 que virou a música dele”, lembra Serginho.

O músico conta que gravar um disco acústico era uma cobrança antiga dos fãs. Mas ele ressalta que a banda temeu ser vista como oportunista por explorar o formato consagrado pelo público.

“Primeiro tivemos que vencer uma resistência interna. Mas começamos a ver por outro ângulo. Se os outros fazem, por que nós não podemos fazer? As pessoas querem ouvir nossas músicas levadas só pelo violão ou pelo piano. Por que privá-las disso? Se o formato acústico tem dado certo, vamos fazer, sim. E foi legal, porque coisas que pareciam estranhas ficaram fantásticas. Coração Pirata virou um country, A Viagem é só em voz-e-piano. As canções se encaixaram como uma luva nesse formato”, explica o músico.

Se não pôde contar com Milton Nascimento e Nando Reis, o Roupa Nova conseguiu ao menos manter dois dos convidados planejados. Com os sertanejos Chitãozinho & Xororó, eles cantam a inédita Já Nem Sei Mais, e com o sofisticado Ed Motta, Bem Simples. Serginho diz que chamar artistas de universos tão distintos não foi proposital, mas tem servido para quebrar paradigmas, como o de que o Roupa Nova é um grupo brega. Ele renega o título, citando como exemplo os arranjos jazzísticos de Bem Simples e a participação do sobrinho de Tim Maia.

“Nessa música, nós mostramos que uma coisa simples também pode ser sofisticada. Ed Motta foi aclamado no Olympia, e 80% do público era popular. Muitos rotulam nossa música como brega. Nós já nos preocupamos com isso, mas não temos que provar mais nada. No momento em que lotamos duas noites do Olympia e contamos com a participação do Ed Motta, que foi ovacionado pelo público, o que dizer mais? Nós sempre fomos MPB FM e 98, Lumiar e Clarear, Sapato Velho e Anjo”, resume.

Afastado há alguns anos da mídia, o Roupa Nova retorna “fazendo barulho”, como diz Serginho. Pela repercussão que vem conseguindo nas lojas e nos shows com seu disco independente, o sexteto já pode se reapropriar do Tema da Vitória.


Veja mais:


  Entrevista com Serginho: “estamos chegando para fazer barulho”
  Continuação da entrevista: “descobrimos que estar fora dos programas de auditório não significa que o show estará vazio”
   Disco:  Roupacústico
     Ficha técnica, faixas e compositores

Matérias relacionadas:

  Roupa Nova comemora sucesso do disco Roupacústico no palco do Canecão


Resenhas relacionadas:

  Roupacústico

 
Graça Music anuncia novidades à imprensa

Grupo Toque no Altar nos Estados Unidos

Metade do Pink Floyd em disco ao vivo de David Gilmour

Oasis mantém o (bom) padrão com Dig Out Your Soul
 
Confira outras matérias
desta seção
 

 

       

 
 
Copyright 2002-2008 | Universo Musical.
É proibida a reprodução deste conteúdo sem autorização escrita ou citação da fonte.
 
Efrata Music Editora Marcos Goes Marcelo Nascimento Dupla Os Levitas Universo Produções