Busca

O UNIVERSO MUSICAL
Quem Somos
Expediente
Cadastro
Publicidade
Fale Conosco
LINKS EXTERNOS
Blog
Universo Produções
Site Marcos Bin
Orkut
MySpace
Enquete
Você é a favor do ensino obrigatório de música nas escolas, como defendem alguns artistas? Acesse nosso blog e dê sua opinião!
  Jair Oliveira vê a internet como as “diretas já” da música

Divulgação
Jair Oliveira acredita que a internet é o meio mais democrático de o artista se comunicar. “Para grande parte do público, a internet não virou realidade ainda, mas negligenciá-la é burrice”, diz o cantor

Por Marcos Paulo Bin
25/10/2004

Quando estava preparando seu terceiro disco, em 2003, Jair Oliveira se deparou com 25 composições. A idéia inicial foi lançar dois discos: um voltado para o mercado brasileiro e outro para o exterior, com as músicas em inglês (algumas delas versões das músicas que fizera para o disco) e de acento jazzístico. Mas não rolou. Jair, então, decidiu manter o esquema dos dois discos, mas com uma diferença: ano passado, lançou 3.1, com 15 faixas. Das dez músicas restantes, duas entraram em coletâneas da gravadora Trama, e as demais aparecem no recém-lançado 3.2.

“Todas as música foram feitas e gravadas na mesma época, até as versões em inglês. A única coisa que fiz agora foi remasterizar”, conta Jair, que não considera 3.2 seu quarto CD. “Encaro como meu terceiro disco dividido em dois. A intenção era essa mesma, por isso dei o nome ao primeiro disco, na época, de 3.1. Já sabia que no futuro sairia uma continuação.”

Por enquanto, os fãs do filho de Jair Rodrigues não precisam ir à loja para comprar o disco: temporariamente, 3.2 estará disponível para download gratuito no site da Trama. O cantor aprovou a idéia, e afirma que, ao contrário de muitos, vê a internet como uma aliada das gravadoras.

“Como o disco para o exterior acabou não saindo, resolvemos, depois de um tempo, lançar o 3.2 pela internet, até para reforçar a confiança que eu e todos da Trama temos nesse meio como um amigo da música, e não um inimigo. Mas quero deixar claro que não sou a favor da pirataria digital. Acho que a cultura brasileira só se movimenta com verba”, afirma Jair Oliveira.

Para não estimular a pirataria, a Trama deve permitir o download do CD até o fim de 2004; a partir daí, a intenção é que se cobre por isso. Jair está confiante de que, mesmo assim, o público continuará fiel.

“O que estamos fazendo é uma forma de incentivar o uso da internet. À medida que o tempo passa, as pessoas se acostumam a usar esse veículo; quando passarmos a cobrar, elas vão retribuir esse carinho”, acredita.

Negligenciar a internet é burrice, diz cantor

Jair Oliveira vai além. Para ele, a internet é o modo mais democrático de o artista se comunicar com seu público. E também de derrubar os viciados esquemas da indústria fonográfica, como o jabá, que reduzem a veiculação de um produto a poucos nomes.

“Acho que a internet veio como a grande distribuidora de música. É a ‘diretas já’ do mercado, que enfrenta a oligarquia cultural das rádios e TVs. O que barra o uso da internet como aliada é o fato de não haver ainda solução para a troca de música on-line. Quando se conseguir resolver a questão dos direitos autorais, a porta será aberta”, diz Jair.

Mas o cantor sabe que isso não acontecerá a curto prazo. Ele não é tão otimista quanto o produtor guianense Mad Professor, papa do dub, que em recente entrevista profetizou o fim do CD em cinco anos.

“Também acho que o CD, como formato, tem vida útil curta. Mas não de cinco anos apenas”, aposta Jair. “As previsões no Brasil são diferentes. Este é um país extremamente grande, com distribuição de renda desigual, em que somente 15% das pessoas têm computador e 10% têm internet. Com acesso rápido, para fazer downloads, esse número é ainda menor. As pessoas no Brasil se preocupam com o que têm que comer amanhã. Para grande parte do público, a internet não virou realidade ainda, mas negligenciá-la é burrice. Quando a TV surgiu, também era para poucos. Acredito que o computador atingirá o mesmo destino. Não em cinco anos, mas talvez em 10 ou 15.”

Jair termina sua aula digital lembrando que as gravadoras não deveriam ficar de berço esplêndido somente reclamando da internet, mas sim procurar meios de aproveitar sua potencialidade.

“Acho que as gravadoras têm que acreditar mais na internet, mesmo que ela demore para acontecer. Talvez só quando o computador se tornar a TV da família brasileira é que os produtores culturais vão se dar conta da força da internet. Mas eles deveriam se antecipar”, afirma.


Veja mais:


  Disco mostra a evolução de Jair Oliveira como cantor
   Disco:  3.2
     Ficha técnica, faixas e compositores

Resenhas relacionadas:

  3.2

 
Graça Music anuncia novidades à imprensa

Grupo Toque no Altar nos Estados Unidos

Metade do Pink Floyd em disco ao vivo de David Gilmour

Oasis mantém o (bom) padrão com Dig Out Your Soul
 
Confira outras matérias
desta seção
 

 

       

 
 
Copyright 2002-2008 | Universo Musical.
É proibida a reprodução deste conteúdo sem autorização escrita ou citação da fonte.
 
Efrata Music Editora Marcos Goes Marcelo Nascimento Dupla Os Levitas Universo Produções