Busca

O UNIVERSO MUSICAL
Quem Somos
Expediente
Cadastro
Publicidade
Fale Conosco
LINKS EXTERNOS
Blog
Universo Produções
Site Marcos Bin
Orkut
MySpace
Enquete
Você é a favor do ensino obrigatório de música nas escolas, como defendem alguns artistas? Acesse nosso blog e dê sua opinião!
  Morumbi recebe 90 minutos de rock ‘n’ roll

Rogério Lorenzoni/Terra
O vocalista Chester Bennington demonstrou grande presença de palco e botou as 70 mil pessoas que lotaram o Morumbi para cantar os sucessos do Linkin Park

Por Juninho Bill
12/09/2004

O Chimera Music Festival foi o primeiro grande evento que trouxe ao Brasil bandas estrangeiras após a desvalorização do dólar. E deu pra perceber a carência de shows internacionais pela quantidade de gente que foi ao estádio do Morumbi, em São Paulo. Cerca de 70 mil pessoas foram ao Chimera (versão Rock) para cantar com os brasileiros do Charlie Brown Jr. e os americanos do Linkin Park, que encerravam a turnê de seu segundo álbum, Meteora.

O Charlie Brown abriu a noite e empolgou a todos como se fosse a banda principal. Chorão surpreendeu pela simpatia e pelo carisma com o público, que cantou todas as músicas. Versão acústica? Mais ou menos; eles preferiram guitarras e berros.

O grupo contou com a participação do produtor Tadeu Patola nas guitarras e tocou músicas de seus cinco álbuns. Rolou Papo Reto, Samba Makossa, de Chico Science (gravada no mais recente CD da banda, Acústico MTV), e Proibida pra Mim a capela. Chorão e cia. não decepcionaram.

Linkin Park faz mistura de bossa nova, samba e guarânia

Às 22h em ponto entrou o Linkin Park. No show, que durou 90 minutos, a banda americana de new metal mostrou sua capacidade de fazer hits de qualidade. Era um atrás do outro (até quem pensa que não sabe muito deles, acaba descobrindo que conhece todas as músicas). Com refrãos repetitivos e pegajosos, o Linkin Park fez todo mundo cantar, pular e gritar com eles, sem nem se importar com a chuva.

O show abriu com a ensurdecera Don’t Stay, uma vibração que o estádio do Morumbi não sentia há muito, pois a torcida ali era pra um time só. E que timaço! Os vocalistas Chester Bennington e Mike Shinoda demonstraram grande presença de palco.

Na música Somewhere I Belong, por exemplo, mal dava pra ouvir a voz dos cantores, tamanho o potencial vocal do público. E assim foi em todos os outros hits radiofônicos: From The Inside, Nobody’s Listening, Numb, Figure.09 e outras conhecidas da galera. O grupo caprichou no repertório tocando músicas de seus dois discos, Hybrid Theory e Meteora. A iluminação também garantiu a qualidade do espetáculo.

Os vocalistas Bennington e Shinoda fizeram uma brincadeira e dividiram o teclado, tentando algo meio bossa nova com sotaque de norueguês, que o baterista Rob Bourdon, ao acompanhá-los, levou para um samba parecido com guarânia paraguaia. Mas isso durou uns dez segundos e poucos entenderam, tanto que na seqüência emendaram Breaking The Habit e tudo voltou ao normal. Histeria, cantoria, gritaria e pulação.

Realmente a apresentação do Linkin Park foi um showzão. Eles conquistaram ainda mais os fãs brasileiros.

“Esse é o melhor show de nossa vida”, disse Bennington. “São Paulo is number 1”.

E como todo número um é campeão, ele subiu no pódio (aquela mania do Linkin Park de subir nos cubos do cenário do palco), ergueu a bandeira brasileira, chacoalhou como nossos campeões olímpicos e botou nas costas. A medalha de ouro foi o entusiasmo da galera, inclusive dos pais que acompanhavam os filhos menores. Nesse jogo de 90 minutos, nenhuma torcida saiu do Morumbi derrotada.

 
Graça Music anuncia novidades à imprensa

Grupo Toque no Altar nos Estados Unidos

Metade do Pink Floyd em disco ao vivo de David Gilmour

Oasis mantém o (bom) padrão com Dig Out Your Soul
 
Confira outras matérias
desta seção
 

 

       

 
 
Copyright 2002-2008 | Universo Musical.
É proibida a reprodução deste conteúdo sem autorização escrita ou citação da fonte.
 
Efrata Music Editora Marcos Goes Marcelo Nascimento Dupla Os Levitas Universo Produções