Busca

O UNIVERSO MUSICAL
Quem Somos
Expediente
Cadastro
Publicidade
Fale Conosco
LINKS EXTERNOS
Blog
Universo Produções
Site Marcos Bin
Orkut
MySpace
Enquete
Você é a favor do ensino obrigatório de música nas escolas, como defendem alguns artistas? Acesse nosso blog e dê sua opinião!
  Vinte anos depois, Colt 45 lança seu primeiro disco

Além de roqueiros, os integrantes do Colt 45, liderados por Paul Cheyene (sentado), são fãs de motos Harley-Davidson

Por Marcos Paulo Bin

Há quase 20 anos a banda Colt 45 leva seu country-rock para casas noturnas e todo tipo de festa Brasil afora, principalmente no Rio de Janeiro. Mas, nesse tempo todo, a banda passou por várias inconstâncias. Primeiramente, o chinês Paul Cheyene – que começou a carreira tocando nos Estados Unidos – e o carioca Barroco Azevedo montaram o Colt 45, em 1985, com um repertório que passeava principalmente pelos clássicos roqueiros dos anos 60.

Quando Azevedo decidiu partir para a carreira solo na Europa, Cheyene resolveu fazer o mesmo, tentando a sorte novamente nos Estados Unidos. Na América, Paul, que é cantor, violonista e gaitista, tornou-se amigo do baixista Ricardo Reis – que tocara com Sydney Magal e Gal Costa – e do guitarrista Tony Roqueiro, um dos fundadores do Barão Vermelho e ex-músico de BB King.

Os três decidiram tocar juntos, até que Tony convenceu Cheyene a voltar ao Brasil e remontar o Colt 45. Mais tarde, agregaram-se ao trio o baterista Chico Santos e o tecladista Roberto Milagres, os dois também com experiência internacional. Talvez por isso, os cinco músicos, que estão juntos há um ano e meio, decidiram continuar na linha do country-rock, fazendo, nas festas, releituras de Creedence, Santana, Willie Nelson, Dire Straits, Johnny Rivers e muitos outros, enquanto compunham material próprio.

Agora eles estão lançando seu 1º CD, Faces (Clã Music), que traz dez faixas inéditas, todas nesse estilo. Quase todas são em inglês – entre elas, boas canções como as agitadas Wish upon A Star, Living for The Good Times Again e Highway 49, e outras mais lentas, como Hard to Say Goodbye. Apenas uma é em português, Noite Solidão.

Mas porque a banda teria levado tanto tempo para gravar um CD? “Setenta por cento por causa da violência, que acabou com a noite e comprometeu o dinheiro para as bandas investirem. Os outros 30% ficam por conta da pirataria, que acabou com o disco”, responde Cheyene.

O cantor também se incumbe de responder porque a banda optou por um repertório todo autoral no CD de estréia. “Tivemos problemas com a liberação das músicas junto às editoras internacionais. Não valia a pena insistir. Então optamos por um repertório novo. O melhor é que, nos shows, as pessoas aplaudem as nossas músicas tanto quanto as outras”, diz Cheyene, empolgado.

Sem medo da crise

O CD Faces é o primeiro lançamento da recém-inaugurada gravadora Clã Music. E o selo já nasceu com um trunfo: a música Sunshine foi incluída na trilha sonora da novela “Mulheres Apaixonadas” que está sendo exibida em Portugal, o que abre a possibilidade de o disco ser negociado na Europa.

A Clã Music é o braço fonográfico da Dedalus Informática, um grande grupo carioca que está expandindo seus negócios. Desde o ano passado, a empresa produz a revista “Clã”, que é distribuída gratuitamente no Rio (principalmente) e em Brasília.

O presidente do grupo, José Carlos Abrahão, sabe das dificuldades de abrir uma gravadora no auge da crise da indústria fonográfica, mas acredita que ainda há espaços não preenchidos no mercado. Para breve, ele prevê o lançamento de uma dupla de forró e de um cantor na linha gospel-romântica.

 
Graça Music anuncia novidades à imprensa

Grupo Toque no Altar nos Estados Unidos

Metade do Pink Floyd em disco ao vivo de David Gilmour

Oasis mantém o (bom) padrão com Dig Out Your Soul
 
Confira outras matérias
desta seção
 

 

       

 
 
Copyright 2002-2008 | Universo Musical.
É proibida a reprodução deste conteúdo sem autorização escrita ou citação da fonte.
 
Efrata Music Editora Marcos Goes Marcelo Nascimento Dupla Os Levitas Universo Produções