Busca

O UNIVERSO MUSICAL
Quem Somos
Expediente
Cadastro
Publicidade
Fale Conosco
LINKS EXTERNOS
Blog
Universo Produções
Site Marcos Bin
Orkut
MySpace
Enquete
Você é a favor do ensino obrigatório de música nas escolas, como defendem alguns artistas? Acesse nosso blog e dê sua opinião!
  Um resistente da boa música brasileira

Ao completar 50 anos de carreira, Carlos Lyra encontra mais espaço para seu trabalho no exterior do que no Brasil. “Acabei de voltar do Japão, onde fiz 28 shows em 14 dias. Sou muito conhecido lá e muito tocado nos Estados Unidos”, diz o cantor
Que “.br” que nada. O site oficial de Carlos Lyra, www.carloslyra.com – que traz um link para a versão em inglês – é apenas um dos indícios de que a carreira do cantor, compositor e instrumentista carioca hoje está mais voltada para o exterior do que para sua terra natal. Ignorado pelas multinacionais instaladas no Brasil, Carlos Lyra – um dos grandes nomes da bossa nova, parceiro constante de Vinícius de Moraes e Ronaldo Bôscoli, entre outros – encontrou guarida, assim como seu contemporâneo João Gilberto, na América do Norte, na Europa e na Ásia, verdadeiros devoradores do gênero que nasceu da incorporação dos elementos do jazz à síncope do samba.
“As gravadoras brasileiras não estão interessadas em bossa nova, só em pagode, rock. Elas estão fadadas ao fracasso; nós tivemos que encontrar novos caminhos”, diz Carlos Lyra. “Acabei de voltar do Japão, onde fiz 28 shows em 14 dias. Sou muito conhecido lá e muito tocado nos Estados Unidos. Hoje ganho mais royalties vindos do exterior do que do Brasil.”
E foi graças ao Japão que Carlos Lyra está lançando agora seu novo CD, Sambalanço. O disco foi encomendado pelos japoneses em 2000, mas o cantor não gostou do resultado e decidiu refazê-lo inteiro: nova arte, nova gravação e nova ordem das músicas, embora o repertório, repleto dos velhos sucessos dos anos 50 e 60, mais algumas novidades, seja o mesmo. “O CD ficou horrível. Não me deixaram ouvir a mixagem, que escondia o violão e a minha voz. Ele chegou a ser vendido por lá, mas não aconteceu nada, porque até mesmo os japoneses viram que aquilo era ruim. Proibi o lançamento do disco no resto do mundo e ele saiu de catálogo. Tive que fazer tudo de novo”, explica Lyra, que lança o disco no Brasil em um momento estratégico, já que em 2004 ele completa 50 anos de carreira.
Carlos Lyra afirma que sua intenção era lançar um CD só com músicas inéditas, mas não era essa a vontade dos japoneses. “Perguntei a eles se eu podia fazer um disco de repertório inédito, mas eles disseram: ‘no, no, quelemos música que João Gilberto canta, ’”, brinca o cantor, imitando o sotaque oriental. “Então tive que pegar os velhos sucessos e refazê-los. Por isso o disco está cheio de músicas que ficaram conhecidas com João Gilberto.”

Uma década sem gravar

Sambalanço é, na verdade, apenas o segundo disco de Carlos Lyra a sair em CD (sem contar os relançamentos de LPs), já que o último trabalho do artista, Carioca de Algema, foi lançado em 94, pela EMI, quando o formato digital começava a se consolidar no Brasil. O tempo de dez anos sem gravar não incomodou Lyra. “Me considero mais compositor do que cantor”, justifica ele.
Para relançar Sambalanço, Lyra teve que comprar os direitos sobre as músicas. Decepcionado com a EMI, que, segundo o artista, não divulgou direito Carioca de Algema, e sabendo que nenhuma outra multinacional se interessaria pelo trabalho, ele resolveu montar seu próprio selo, o MCK, mesmo nome de seu escritório. Lyra tem planos para o selo. “Penso em relançar pela MCK o Carioca de Algema, que foi ignorado pela EMI. Ninguém ficou sabendo dele. Aquele foi um disco de resistência”, afirma o cantor.
Uma resistência que, ao que parece, ele não perdeu. No dia 17 de março, Carlos Lyra fará uma grande festa no palco do Canecão para comemorar os 50 anos de carreira, contando com várias participações especiais. Ao lado dele estarão outras duas dezenas de resistentes, como Maria Bethânia, Os Cariocas, Miúcha, Leila Pinheiro e Marcos Valle, todos atualmente em pequenas gravadoras ou mesmo sem nenhuma, mas ainda assim produzindo. Nessa festa, diretor de multinacional não estará presente. E nem precisará ir.


Veja mais:


  Clássicos, inéditas e quase inéditas
   Disco:  Sambalanço
     Ficha técnica, faixas e compositores
 
Graça Music anuncia novidades à imprensa

Grupo Toque no Altar nos Estados Unidos

Metade do Pink Floyd em disco ao vivo de David Gilmour

Oasis mantém o (bom) padrão com Dig Out Your Soul
 
Confira outras matérias
desta seção
 

 

       

 
 
Copyright 2002-2008 | Universo Musical.
É proibida a reprodução deste conteúdo sem autorização escrita ou citação da fonte.
 
Efrata Music Editora Marcos Goes Marcelo Nascimento Dupla Os Levitas Universo Produções