Busca

O UNIVERSO MUSICAL
Quem Somos
Expediente
Cadastro
Publicidade
Fale Conosco
LINKS EXTERNOS
Blog
Universo Produções
Site Marcos Bin
Orkut
MySpace
Enquete
Você é a favor do ensino obrigatório de música nas escolas, como defendem alguns artistas? Acesse nosso blog e dê sua opinião!
  Um exemplo para Maria Rita

www.norahjones.com
The Handsome Band: Adam Levy, Lee Alexander, Norah Jones, Daru Oda, Andrew Borger e Kevin Breit. Em seu novo disco, Norah preferiu gravar com os mesmos músicos que a acompanham há dois anos
No release de divulgação de Feels Like Home (EMI), segundo CD de Norah Jones, a cantora e pianista americana diz que, desta vez, preferiu “dar um pouco mais de velocidade” às canções, “deixando um pouco de lado o clima tranqüilo e melódico” do CD anterior, o multiplatinado Come Away with Me.
Não é para tanto. A maioria das 13 faixas de Feels Like Home – 11 delas compostas por Jones e por integrantes de sua banda, a Handsome Band – mantém o jazz contemporâneo de Come Away with Me. Músicas como Those Sweet Words, Toes, Above Ground e The Long Way Home trazem os mesmos ritmos lentos e a mesma voz sussurrante de Norah, no tradicional esquema piano-baixo-guitarra-bateria.
Mas Norah tem uma certa razão quando fala em botar o pé no acelerador. Conhecida, no disco anterior, por misturar folk e blues ao jazz tradicional, a cantora vai mais fundo na fusão de ritmos em seu novo – e excelente – disco. A primeira faixa de trabalho, Sunrise, é folk puro, no melhor estilo Bob Dylan. What Am I to You e Be Here to Love Me também flertam com o gênero. Já Creepin’ In, a melhor e mais animada faixa do disco, não tem nada de jazz – é country purinho, daqueles que embalam as tradicionais festas texanas. E ainda há espaço para as baladas Humble Me e The Prettiest Thing e para o blues In The Morning.
Outro destaque do disco é Don’t Miss You at All, que na verdade é uma versão, com letra de Norah, para a instrumental Melancholia, de Duke Ellington. A cantora, que já havia gravado a música em uma fita demo no início da carreira, vinha apresentando a canção em shows, mas ela só entrou mesmo no CD por um pedido especial do presidente da Blue Note (divisão da EMI para o jazz), Bruce Lundvall. “Eu não planejei escrever a letra dessa música; o simples fato de pensar em mexer numa composição de Ellington me assustou muito. Mas fui inspirada por ela”, diz Norah, que interpreta a canção sozinha, ao piano.

CD vende 1 milhão de cópias em uma semana

Feels Like Home foi lançando mundialmente no dia 9 de fevereiro, exatamente 100 semanas após o disco de estréia de Norah, que teve uma repercussão muito maior do que a cantora poderia sequer sonhar. O CD vendeu 16 milhões de cópias mundo afora – 8 milhões somente nos Estados Unidos – e ganhou todos os Grammys que disputou em 2002, incluindo “gravação do ano” e “disco do ano”.
O novo disco já começou batendo recordes. Em apenas uma semana, chegou à marca de um milhão de cópias vendidas nos Estados Unidos, a maior vendagem inicial de um CD na terra de Tio Sam desde julho de 2001. Feels Like Home também estreou nas paradas de 16 países em primeiro lugar, incluindo os próprios Estados Unidos e a Nova Zelândia. Na semana de 16 a 20 de fevereiro, o CD aparecia em primeiro lugar no Top 100 da Billboard, 11 posições acima de Dangerously in Love, de Beyonce, grande vencedora do último Grammy. Feels Like Home ainda liderava a parada de vendas pela Internet (Top 20). No Brasil, no mesmo período, o disco aparecia em 37º lugar em São Paulo e em 47º no Rio, segundo o Instituto Nopem.
Feels Like Home foi gravado em Nova York entre abril e dezembro de 2003. Norah preferiu não mexer em time que estava ganhando: mais uma vez convocou o produtor Arif Mardin, que trabalhara ao lado dela em Come Away with Me, e decidiu manter como base a banda com que trabalha desde 2002, formada por Adam Levy, Kevin Breit (guitarras), Daru Oda (teclado), Lee Alexander (baixo) e Andrew Borger (baixo).
Mas algumas participações abrilhantam ainda mais o CD, que agrada até mesmo quem não é fã de jazz. Na ótima Creepin’ In, Norah divide os vocais com a lendária cantora Dolly Parton, a quem conheceu no Country Music Awards 2003, em Nashville. Já o baterista Levon Helm e o tecladista Garth Hudson, do grupo The Band, foram convidados por Norah para ajudá-la a terminar a música What Am I to You (Hudson participa ainda de Be Here to Love Me). Completam a lista o baterista Brian Blade (The Prettiest Thing), os guitarristas Jesse Harris (Those Sweet Words e Carnival Town) e Tony Scherr (What Am I to You) e o tecladista Rob Burger (Those Sweet Words e Creepin’ In).

Guitarra faz a diferença

A sonoridade de Feels Like Home, algumas vezes, lembra muito a do primeiro disco de Maria Rita, que flerta com o jazz. Mas não só Norah como sua banda estão anos-luz à frente da filha de Elis e seu time, por um motivo bastante simples: os músicos americanos aproveitam ao máximo todas as possibilidades que o jazz proporciona, principalmente o improviso dos instrumentistas – que se revezam nos solos, prevalecendo ora o piano, ora o baixo, ora a guitarra – enquanto os brasileiros são burocráticos (no show de Maria Rita, nenhum músico faz um solo sequer).
Além disso, a presença da guitarra é fundamental no disco de Norah – e se sobressai em faixas deliciosas como What Am I to You, Toes e Humble Me – enquanto Maria Rita sequer utiliza o instrumento em sua banda (que conta apenas com piano, baixo, percussão e bateria). Ouvir Feels Like Home fará bem à filha de Elis, caso ela queira seguir o rumo do jazz contemporâneo.


Veja mais:


   Disco:  Feels Like Home
     Ficha técnica, faixas e compositores

Matérias relacionadas:

  Pop, country, folk, blues e pouco jazz no show de Norah Jones no Brasil

 
Graça Music anuncia novidades à imprensa

Grupo Toque no Altar nos Estados Unidos

Metade do Pink Floyd em disco ao vivo de David Gilmour

Oasis mantém o (bom) padrão com Dig Out Your Soul
 
Confira outras matérias
desta seção
 

 

       

 
 
Copyright 2002-2008 | Universo Musical.
É proibida a reprodução deste conteúdo sem autorização escrita ou citação da fonte.
 
Efrata Music Editora Marcos Goes Marcelo Nascimento Dupla Os Levitas Universo Produções