Busca

O UNIVERSO MUSICAL
Quem Somos
Expediente
Cadastro
Publicidade
Fale Conosco
LINKS EXTERNOS
Blog
Universo Produções
Site Marcos Bin
Orkut
MySpace
Enquete
Você é a favor do ensino obrigatório de música nas escolas, como defendem alguns artistas? Acesse nosso blog e dê sua opinião!
  O pedreiro que derruba muros e constrói belas obras

No show de lançamento do CD Brasil Lua Cheia, no Teatro Rival, no Rio, Francis valeu-se de um belo cenário, que reproduziu o sol...
A cantora, compositora e empresária (dona da gravadora Biscoito Fino) Olivia Hime costuma dizer que para alguns músicos não existe a barreira entre a música clássica e a popular. Na hora de exemplificar, entre Tom Jobim e Radamés Gnatalli sempre aparece o maridão, Francis Hime.
Realmente Francis, como se fosse um exímio pedreiro, sempre soube quebrar esse muro, construindo com seus tijolos grandes obras populares e eruditas. No entanto, nos últimos anos o cantor e compositor vinha se dedicando com mais afinco à última, como na Sinfonia do Rio de Janeiro de São Sebastião, que ele escreveu em 2001.
Agora, para a alegria da MPB – que, em tempos de crise, anda combalida com tantos discos ao vivo, acústicos, de tributos ou releituras – Francis retoma sua veia popular lançando Brasil Lua Cheia (Biscoito Fino), que traz 14 faixas inéditas entre mais de 50 que ele tinha guardadas em seu rico baú.
“Estou há um ano debruçado sobre Brasil Lua Cheia. Nunca fiquei tanto tempo em uma obra”, diz Francis, que, em 30 anos de carreira (suas primeiras músicas são de 63, com letras de Vinícius de Moraes), está lançando apenas seu 10º disco. Mas agora ele promete uma constância maior nos estúdios.
“Fiquei sem gravar de 85 a 97, quando lancei Choro Rasgado. Agora estou lançando um disco seis anos depois. Os prazos estão se encurtando!”, brinca. “A intenção a partir de agora é gravar um disco a cada dois anos.”
Mas é claro que, mesmo em um disco popular, Francis não deixaria de imprimir a riqueza harmônica digna de um concerto. As composições denotam a “popularidade” de Brasil Lua Cheia. Francis vale-se de diversos parceiros da MPB, alguns compondo com ele pela primeira vez.
“Gosto de compor com parceiros. Me estimula a buscar novas idéias”, diz o cantor.
Entre os “novatos” estão Adriana Calcanhotto (Um Seqüestrador), Paulinho da Viola (Choro Incontido), Lenine (Pó de Granito) – os três cantam no CD, os dois primeiros nas músicas que compuseram e Lenine em Corpo Feliz, de Francis e Cacaso – Joyce (Cinema Brasil) e Moraes Moreira (Menina e Brasil Lua Cheia).
Entre os velhos parceiros, estão o já citado Cacaso (que também divide com Francis a composição de Minas Goiás), Paulo César Pinheiro (No Parangolé do Samba e Navios), Vinícius de Moraes (a já citada Um Seqüestrador, que era instrumental e ganhou recentemente letra de Adriana, e Meu Coração, que, já gravada, ganhou nova música de Francis para o poema de Vinícius), Geraldo Carneiro (O Amor Passou) e a mulher Olivia Hime (Canção Transparente e Disfarçando).
O lado “erudito” do disco está na instrumentação elaborada por Francis (responsável pelos arranjos), que confere a algumas faixas verdadeiro tratamento orquestral. O que é facilitado pela
... E a lua, fazendo referência à letra da música-título, que diz “Sem essa de eclipse / Na vida ninguém paga meia”
convocação de um time de músicos de primeira linha, como Robertinho Silva (percussão), Ricardo Silveira (guitarra), Jorge Helder (baixo), Maurício Carrilho (violão), Luciana Rabello (cavaquinho), Paulo Sérgio Santos (sax), Vittor Santos (trombone) e Jaques Morelenbaum (cello), entre muitos outros.
“Procuro mesclar as características da música popular e a erudita. As barreiras são artificiais, e hoje estão caindo”, diz Francis.

Parceria com Paulinho é o destaque

Brasil Lua Cheia é um disco belíssimo, sério candidato a melhor do ano, em que se destaca o delicioso Choro Incontido. Para quem só conhecia o lado sambista de Francis (autor de sucessos como Vai Passar, em parceria com Chico Buarque) e desconhecia a face chorona, Brasil Lua Cheia é uma grande surpresa. Nesse estilo há ainda Meu Coração e Disfarçando, outros dois grandes momentos.
“O choro é um gênero que dá muita liberdade para o músico”, conta Francis. “A minha primeira incursão mais direta ao choro foi quando fiz a trilha do filme ‘O Homem Célebre’, de 75 (com Walmor Chagas). Foi de onde saiu meu choro mais conhecido, Meu Caro Amigo.”
Entre os sambas, o principal destaque é a faixa-título, que, curiosamente, surgiu meio por acaso.
“Quando Moraes e eu terminamos Menina, ele me trouxe uns versos. Sentei no piano e fiz a música na hora. Acabou virando nome do disco. A letra reflete o momento de esperança em que vive o Brasil”, explica Francis.
Moraes conta que há quase 10 anos começou a escrever a letra da latina Menina, que só terminou um pouco antes de entregá-la a Francis. “No dia em que a entreguei nós fizemos Brasil Lua Cheia. É maravilhoso compor com Francis. Ele abriu um outro clarão em minha carreira, me fez viajar por outros caminhos”, derrete-se.
Outra parceria interessante é com Adriana Calcanhotto, em Um Seqüestrador, a primeira música a ir para as rádios. O cantor considera esta uma parceria intuitiva.
“Eu toquei essa música com ela quando se completaram 10 anos da morte de Vinícius, no CCBB. Lembrei disso e mandei a música para a Adriana. Ela tinha uma levada de canção, romântica, e virou um blues”, explica.
Agora Francis irá lançar um DVD de Brasil Lua Cheia, mostrando o processo de gravação de 10 das 14 músicas do CD. Pena que ele não irá incluir no disco audiovisual o maravilhoso show de lançamento do álbum, realizado em setembro no Teatro Rival, no Rio de Janeiro.
Na apresentação, Francis mostrou as músicas inéditas misturadas a grandes sucessos seus como compositor, como as célebres Vai Passar, Trocando em Miúdos e Pássara. Mas, pensando bem, de regravações a MPB dos anos 2000 está cheia. O pedreiro continua construindo prédios, um mais belo que o outro, e é justo que queira mostrá-los.


Veja mais:


   Disco:  Brasil Lua Cheia
     Ficha técnica, faixas e compositores

Resenhas relacionadas:

  Brasil Lua Cheia
 
Graça Music anuncia novidades à imprensa

Grupo Toque no Altar nos Estados Unidos

Metade do Pink Floyd em disco ao vivo de David Gilmour

Oasis mantém o (bom) padrão com Dig Out Your Soul
 
Confira outras matérias
desta seção
 

 

       

 
 
Copyright 2002-2008 | Universo Musical.
É proibida a reprodução deste conteúdo sem autorização escrita ou citação da fonte.
 
Efrata Music Editora Marcos Goes Marcelo Nascimento Dupla Os Levitas Universo Produções