Busca

O UNIVERSO MUSICAL
Quem Somos
Expediente
Cadastro
Publicidade
Fale Conosco
LINKS EXTERNOS
Blog
Universo Produções
Site Marcos Bin
Orkut
MySpace
Enquete
Você é a favor do ensino obrigatório de música nas escolas, como defendem alguns artistas? Acesse nosso blog e dê sua opinião!
  Jornalista reúne em disco as gravações de Cartola na voz de Beth

Divulgação
O jornalista e pesquisador Rodrigo Faour considera Beth Carvalho a principal intérprete de Cartola. “Ela foi muito importante na vida de Cartola”, diz Faour
“A principal intérprete de Cartola”. É assim que o jornalista e pesquisador Rodrigo Faour apresenta a sambista Beth Carvalho, que acaba de ganhar uma coletânea, lançada pela BMG, trazendo as principais gravações que fez, em seus 27 discos, dos sambas do compositor mangueirense.
Beth Carvalho Canta Cartola é lançado no mesmo ano em que Ney Matogrosso põe nas lojas um disco ao vivo em homenagem ao marido de Dona Zica, que é, na verdade, uma sucessão de um outro álbum que ele lançara ano passado, de estúdio, chamado Ney Matogrosso Interpreta Cartola. O fato não atrapalhou em nada as intenções de Faour.
“Minha idéia foi anterior a do Ney, mas só agora a BMG resolveu lançar o disco”, conta o jornalista, lembrando que outros artistas também já lançaram tributos a Cartola, como a dupla Elton Medeiros e Nelson Sargento, Lenny Andrade e, mais recentemente, o grupo Arranco. “Existem discos lindos em homenagem a Cartola. Temos que parar com isso. Lá fora, quantos não gravaram e continuam gravando Cole Porter, Gershwin? O que é bom não morre.”
Rodrigo Faour lembra que, graças a Beth Carvalho, As Rosas Não Falam tornou-se um clássico da música brasileira. A música entrou como tema da novela “Duas Vidas”, de 76, foi tema do casal de protagonistas e então se tornou o maior sucesso de Cartola.
“Beth foi a cantora que mais prestigiou Cartola, que o popularizou. Tanto que a RCA (atual BMG) o chamou para gravar seus dois últimos discos. Ela foi muito importante na vida de Cartola. Gravou músicas menos conhecidas como Motivação, Que Sejam Bem-Vindos etc. Achei que fazer este disco não seria chover no molhado”, argumenta Faour.
Todas as músicas citadas pelo jornalista estão presentes na compilação, que traz ainda, entre os sucessos, O Mundo É Um Moinho, O Sol Nascerá (A Sorrir), Corre E Olhe O Céu e duas faixas ao vivo, retiradas de uma gravação feita em 2000, para lembrar os 20 anos de morte de Cartola: Acontece e Cordas de Aço. Entre as canções menos conhecidas – e não menos belas – estão Camarim, Consideração, Espero por Ti e Amargo Presente.
Rodrigo conta que Beth não acompanhou o processo de pesquisa e produção do disco. “Para a Beth foi uma surpresa. Ela só soube quando estava pronto”, diz o jornalista. Para a cantora, o lançamento do disco não altera os planos de lançar um CD só com músicas inéditas de Cartola. O projeto aguarda a liberação da neta do compositor, Nilcemar Nogueira.

Admiração antiga

Especialista em cantoras brasileiras, Faour diz que a admiração por Beth Carvalho é antiga. “Sou louco pela Beth desde os 7 anos de idade”, revela. “Gostei de MPB a partir de cantoras como ela, Gal, Elis. Passei a acompanhar a carreira da Beth e a comprar todos os anos os seus discos. Percebi que em todo disco ela gravava uma música do Cartola, que era o momento sereno, de pausa entre músicas mais animadas. O Cartola morreu em 80, e ela continuou o gravando. Percebi também que muita gente conhecia só a gravação da Beth para As Rosas Não Falam e O Mundo É Um Moinho, mas não conhecia o outro lado, das músicas mais desconhecidas.”
O jornalista também não poupa elogios ao mestre Cartola. “Cartola lançou sua obra-prima, As Rosas Não Falam, aos 60 anos, época em que poucos mantêm a mesma criatividade. Criou verdadeiras pérolas nos últimos cinco anos de vida. E era um homem semi-analfabeto, que conseguiu levar a inspiração dele para milhões de pessoas. Não é porque é pobre que vai fazer porcaria, porque o povo só entende isso. Ele era do povo e tinha uma grande sensibilidade”, diz Faour, que acredita que o disco é mais uma oportunidade que os jovens (“restritos ao pop romântico, americanizado”, segundo ele) têm para conhecer melhor a riqueza da música brasileira.
“Tudo que o Cartola gravou foi bom. Ele é que nem Caymmi – tem uma obra curta, mas tudo muito bom. E muitos jovens não conhecem. Mas nunca é tarde para se descobrir Cartola. Ainda mais hoje, quando há tanta coisa chinfrim, descartável. É tão bom ouvir música boa... Cartola é de uma sutileza incrível”, afirma Faour.
Aos 31 anos, Rodrigo Faour já tem uma coleção considerável de projetos realizados. Entre eles, verdadeiros resgates como os primeiros discos de Maria Alcina, que o jornalista considera uma cantora de vanguarda (“ela foi uma das primeiras a gravar João Bosco, ao lado de Elis”). Entre seus próximos projetos está o relançamento de músicas de boate dos anos 50 e 60. A música brasileira agradece.


Veja mais:


   Disco:  Beth Carvalho Canta Cartola
     Ficha técnica, faixas e compositores

Matérias relacionadas:

  Beth Carvalho recebe discos de ouro e platina pelo CD/DVD A Madrinha do Samba
  Beth Carvalho regrava sucessos em seu 1° DVD


Resenhas relacionadas:

  Beth Carvalho e Amigos
  A Madrinha do Samba – Ao Vivo Convida
 
Graça Music anuncia novidades à imprensa

Grupo Toque no Altar nos Estados Unidos

Metade do Pink Floyd em disco ao vivo de David Gilmour

Oasis mantém o (bom) padrão com Dig Out Your Soul
 
Confira outras matérias
desta seção
 

 

       

 
 
Copyright 2002-2008 | Universo Musical.
É proibida a reprodução deste conteúdo sem autorização escrita ou citação da fonte.
 
Efrata Music Editora Marcos Goes Marcelo Nascimento Dupla Os Levitas Universo Produções